domingo, 21 de junho de 2015

Mais uma dose, é claro que eu tô a fim…

Beber na Espanha é praticamente uma religião! A galera bebe bastante, principalmente no verão… eu mesma estou fazendo umas boas misturinhas em casa pra espantar o calor.

Nesse período entre Maio e Setembro, a temperatura está perfeita, quando não está insuportável, para estar em uma terrazita em La Latina ou na Plaza Santa Ana, ou em boteco no melhor estilo bancada suja de qualquer bairro.

Copa de vino y Tinto de Verano na Plaza Santa Ana... oi?

Ensinando o básico aos visitantes
Porém, beber em Madrid tem os seus segredos e muita gente tropeça na hora de pedir. É por isso que decidi fazer um guia para vocês, meus amigos, que às vezes nos visitam e ficam perdidassos quando saem por aí sozinhos e sedentos.

Pra começar… quando se deparar com um boteco fuleiro com um montão de guardanapos no chão… entre!! É uma mensagem subliminar para “aqui a comida/bebida é boa!”. Pode soar terrivelmente nojento, mas é a pura verdade e eu sempre aponto essa curiosidade quando vou aos meus bares favoritos.


Dicionário de como pedir cerveja:

Existem várias formas de pedir cerveja aqui e é um rolo. Eu ainda me embanano, mas vamos tentar deixar um guia para os visitantes:
  • Assim como no Brasil, aqui tem chopp mas não é assim que se chama e ninguém vai entender isso.
  • Se diz cerveza de grifo, ou na tradução literal: cerveja da torneira. O preço médio é de 2,40 €. Vai ficando mais caro quanto mais central for o local.

Essa, em plena Plaza Mayor, deve ter custado uns 4 €...


Para pedir um chopp você tem algumas opções:
  • Caña/Doble – que é um copo de 300-400 mL
  • Cañita – que vem num copinho menor, perfeito para não esquentar
  • Pinta (Pint) – que é o copão de 500-600 mL
  • Jarra – que é a pior coisa do mundo  1-1,5 L de cerveja numa jarrona – bom pra quem tá em muita gente e pouco dinheiro (e geralmente já chega quente)
  • Tercio – que é a famosa long neck
  • Botellín – é uma garrafinha menor, de uns 200 mL, e perfeito pra enganar os trouxas clientes nas “promoções”
  • Mini – ridiculamente, é o mega copo de 700 mL vendidos em shows e concertos
  • Cerveza sin o zero – cerveja sem álcool que pode vir en tercio o en caña

Quando se diz simplesmente  cerveza, o garçom pode querer confirmar se é una caña o un tercio e daí todo mundo fica com cara de ué. Melhor especificar.

Daí temos as versões, que são minhas preferidas, e carinhosamente apelidadas de “cervejerante” nas internas:
  • Clara – é uma caña misturada com gasera, que por sua vez é uma água gaseificada meio doce
  • Clara con limón – é a versão feita com algum refrigerante de limão da marca de bosta genérica ou, no melhor dos casos, com Fanta Limão.

Ah, e falando em limão, não sei onde mais é assim, mas aqui isso é um limão:

Oi, eu sou um limón

 E isso é uma lima!


Muito prazer, eu sou a lima!


Cuidado com a confusão que isso causa… se pedir um sumo de limón será da lima que nós conhecemos e vice-versa.


Outras coisas interessantes de saber:

Aqui o vinho é fantástico e deve ser provado! Com suas versões e regiões. Além dos normais branco e tinto, aqui se encontra o verdejo (meu favorito), os espumantes e as cavas, que são como o “champagne espanhol”.

Pode-se pedir en copas ou seja, em taças, ou en botella se estiver com mais gente. Uma taça de um vinho bom custa, na média, 3,00 €.

Assim como a cerveja, o vinho tem suas vertentes que vão muito bem no verão e são os favotiros da mami:
  • Tinto de verano – nada mais é que a versão da clara o clara con limón e também pode ser feito com gasera ou com o refrigerante. Geralmente vem com muito gelo e umas rodelinhas de limón.
  • Sangria – é uma versão do tinto de verano com mais suco de frutas e frutas no copo. Faz estragos.

Extras:
  • Chupito – que é o nome mais feio que eu já ouvi para dose pura de alguma coisa, ou shot, e custam geralmente uns 4 € dependendo do que for
  • Copa – pode ser una copa de vino ou a tradução para drink, e custam em média 8 €

Salir de copas significa tomar algo mais tarde, depois do jantar geralmente, e encher a cara com coisas mais fortes. Aqui a bebida mais “modinha” é a famosa gin tonic. E eu amo! Cada bar faz sua versão e coloca algum segredinho, que pode ser um tempero, ou até mesmo deixar o copo todo psicodélico.

Una copa psicodélica de gin tonic

Quando se pede uma copa eles geralmente não colocam nomes e sim dizem o que é literalmente: run con cola, vodka com fanta, whisky com yielo…. E por aí vai.

A marca fica por conta do cliente, sendo meu gin preferido o Tanquerray.

E, para evitar uma ressaca, NUNCA aceite as bebidas de promoção para entrar em algum lugar: por exemplo, pague 5 € e ganhe una copa o un chupito.

É bebida fuleira e vai te causar um estrago, do tipo, que você vai querer culpar o burrito da madrugada, mas na verdade foi aquela tequila... y lo sabes… 

been there, done that.


P.S.: Este post não seria possível de ser escrito sem o apoio dos meus pais que me ensinaram a beber direito, e da ESALQ… que me manteve ativa por muitos anos! Obrigada gente, vocês são demais!!


Um comentário: